sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Uma escola de respeito


       Sei que sou suspeito para falar do Cotil, mas se o Gilmar Mendes, que foi padrinho da filha do “rei do ônibus do Rio”, se acha isento para assinar o habeas corpus de soltura do mal falado cidadão então posso ficar à vontade e dizer um pouco daquela unidade de ensino onde passei 34 anos como professor e 3 como aluno.

       É que neste ano o Cotil fez 50 anos de sua implantação e como ex-alunos, nos reunimos numa festa de confraternização para comemorarmos a data, com a presença de diversos professores e funcionários daquela época. A história desta escola é rica em episódios que mostram a sua grandeza, basta lembrar que ela estava no projeto inicial de implantação da Unicamp como vertente da parte prática da universidade, junto com o Colégio Técnico de Campinas. Com o aval do professor Manoel da Silva foram recrutados os melhores professores do ensino médio da cidade e região, os melhores técnicos das pujantes indústrias locais para formarem o corpo docente do curso de Mecânica.

       Como foi lembrado na comemoração, teve professor que só percebeu que não era um curso de nível superior apenas no segundo ano. O material de ensino era de São Carlos (USP), Esalq (Piracicaba). Muitos alunos da primeira turma vieram do Castelo Branco (top na cidade) que abandonaram o científico em busca de uma oportunidade nessa novidade que era o ensino técnico. A GM vinha fazer exame de seleção de seus estagiários aqui no Cotil. A IBM, a GE e muitas outras só aceitavam estagiários da escola.


       Sempre atento as necessidades do mercado, com o tempo, diversificou os seus cursos com Edificações (hoje Construção Civil), Estradas (hoje Geodésia), Enfermagem, Informática. Não contente e percebendo uma demanda de profissionais já trabalhando, mas ainda sem formação adequada, passou a oferecer curso noturnos de curta duração. Nos anos noventa, novamente saiu na frente, com o apoio da Varga e da Rockwell-Fumagalli, criou o primeiro curso técnico de Qualidade e Produtividade da América Latina.

       Hoje seu corpo docente, formado por cerca de cem professores, talvez seja o que tem maior número de mestres, doutores e especialistas da cidade, no nível médio. Também cerca de 50% de seus alunos são oriundos de cidades da região como Campinas, Vinhedo, Cosmópolis, Araras, Conchal, Iracemápolis, Indaiatuba e etc, tanto é que seu vestibular tem anualmente em torno de 4000 candidatos É a segunda escola da cidade na classificação do Enem e a primeira pública, também é comum vermos os alunos terem seus nomes nas listas de classificados nos vestibulares de Faculdades de renome no país.
       Cinquenta anos não é sempre que se comemora, principalmente com uma história desta.
      
Sérgio Lordello

Ex-aluno do Cotil-Unicamp

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Festa de confraternização dos 50 anos do Cotil

Um encontro inesquecível...

1° Turma - 1967-1969

2° Turma - 1968-1970

3° Turma - 1969-1971

4° Turma - 1970 - 1972



Regina Martensen, Edenilson Simões, Manoel da Silva, William Lussier, Julio Abade, José Luís Rodrigues - professores, funcionários e o diretor da época


















No final houve uma cerimônia de aplausos à todos os funcionários, professores e alunos de todas as épocas do Cotil. Também houve uma saudação aos colegas, professores e funcionários que já se despediram daqui e, finalmente um agradecimento especial ao maior batalhador pelo encontro William Norman Lussier.


Agradecemos as fotos cedidas pelo amigo Sebastião Mioto.



sábado, 15 de julho de 2017

Churrasco 50 anos Cotil-Unicamp

Um reencontro com seu passado




Data: 19 de agosto de 2017
Local: sede de campo do CPP-Limeira - Rua Prof. Solon Borges dos Reis, 191 - Campos Elísios - Limeira ( pela Anhanguera entre no Shopping Center Limeira) - mapa abaixo
Horário: à partir das 12:00 horas


Adesões: depósito no Banco do Brasil, agencia 6831-4, conta corrente 2120-2, em nome de José Antonio Bueno da Silva, no valor de R$ 75,00. RG-603.390.128-20. Até 10 de agosto...

Importante: após o depósito mandar uma foto (arquivo) para o e.mail jabsnine@gmail.com, acrescente o seu nome para confirmar a sua adesão

Trajano Camargo - primeira sede do Cotil

Local do Churrasco 

Turma 69-71

Esperamos por você...





terça-feira, 20 de junho de 2017

Bacalhau a Mendes Gonçalves



Ingredientes:

          01 quilo de lombo de bacalhau dessalgado;

          3 batatas grandes;

          01 vidro de azeite extra virgem;

          300 gramas de brócolis congelado;

          01 cabeça de alho pequena;

          3 cebolas grandes;

          01 xícara de salsa e cebolinha;

           Se quiser pode acrescentar vagem, cenoura ou outro legume de sua vontade


Preparo: 

       - Tire os poucos espinhos do bacalhau, principalmente na sua coluna, coloque-o numa vasilha funda, cubra com azeite e deixe na geladeira por três dias;



         - Corte as batatas em oito partes e leve a fervura, com um pouco de sal até a mesma ficar ao dente;



      - Pique a cebola e o alho em pedaços não muito pequenos,


 

      - Frite os pedaços de bacalhau apenas para pegar cor de todos os lados, utilizando um pouco do mesmo azeite,



      - Retire o bacalhau já dourado, na mesma panela acrescente a cebola até dourar, retire. Coloque na sequência o alho, depois o brócolis, sempre retirando em cada etapa. Não esqueça de regar com o azeite que sobrou do banho do bacalhau




      - Finalmente, numa forma, faça a montagem com os pedaços de bacalhau, a batata, cebola, alho e o brócolis. Cubra com papel alumínio e leve ao forno por 25 minutos, depois retire o papel a alumínio e deixe por mais dez minutos.

      - Sirva com arroz branco. 




Esta receita é uma sugestão do amigo Pena Ferraz em homenagem ao seu pai José Mendes e eu reproduzi na cidade de Gonçalves na serra da Mantiqueira

Sergio Lordello

sábado, 10 de junho de 2017

No dia do juízo final


       - O senhor tem aqui anotada uma armação sua contra um amigo, na juventude, na disputa por uma jovem?
       Sabe Deus, não foi bem assim, foi um acidente de percurso. Nós morávamos juntos no tempo de faculdade, ambos havíamos estudado nos mesmos anos no Cotil, participávamos das mesmas festas e bailes do Limeira Clube, até viajamos juntos para acampar em Salvador numa férias. Mas naquele dia foi ele que insistiu em me levar junto para conhecer uma menina que estava paquerando e nem tinham ainda nenhum compromisso. Entramos na casa dela, sob olhares nada amistosos dos pais e fomos para uma área nos fundos. Ela era alta, olho grande, cabelo ruivo natural, novinha ainda, usava uma saia justa e curta que pronunciavam ainda mais as suas belas pernas roliças.


       Bastou apenas uma troca de olhares, ainda não sei se foi somente pelos seus dotes físicos, pelo papo fluído de suas conversas, pelo jeito meigo de nos dar atenção, mas ali eu tomei uma decisão: ela seria a mulher com quem iria me casar. Lógico que refleti também pela forma de pensar do Senhor, tentei me afastar daquela “tentação”, apostei na distância para esquecer aquela intenção, tudo em respeito ao meu amigo, até que fui a um baile do Nosso Clube, vestido de terno preto e gravata borboleta, certo em pedir outra garota em namoro. Mas naquele dia, justo naquele dia, ele mais uma vez deu um “bolo” nela, então, de repente, eu a vi, no meio do salão, linda, com um vestido longo, aqueles olhos bonitos, cabelo arrumado, sorriso largo. Senhor, depois daquela aparição, não teve mais jeito, saímos de lá de mãos dadas e compromissados, até um beijo furtivo rolou no caminho de volta.

       Sei que talvez tenha sido pecado, mas quem sabe o Senhor pode considerá-lo apenas um pecado venial (aqules que são perdoáveis sem a necessidade do sacramento da confissão), principalmente pelos atenuantes que passo a Lhe relatar e aos membros do juri celestial para que, quem sabe, possam relevar a minha condenação ao inferno e trocá-la por uma pena alternativa mais branda: estamos juntos desde aquele dia até hoje, quando o Senhor me chamou, está certo que já rolaram brigas, discussões, vontades de desistir, contudo a gente sempre faz um balanço de tudo e nos momentos importantes, significativos, sempre pudemos contar um com o outro; seguindo o Seu conselho em Gênesis 9 esta relação produziu frutos importantes: primeiro as filhas que deram um sentido admirável em nossas vidas ao vê-las encontrarem os seus lugares carregando os nossos princípios que são os mesmos do Senhor; depois apareceram as netas, que trouxeram a pureza e a candura para as nossas vidas.

       Mas eu quero Lhe dizer uma coisa que considero muito importante: mesmo que eu seja condenado dentro da sabedoria divina, quero reafirmar que, se preciso fosse, faria tudo novamente, da mesma forma, não recuaria um milímetro e não me arrependeria um minuto da minha conduta, pois até o meu amigo compreendeu a importância daquela mulher na minha vida. No entanto, estou pronto a respeitar a Sua decisão final.



Sérgio Lordello